Sangha Virtual

 Estudos Budistas

Tradićčo do Ven. Thich Nhat Hanh

 

Concentrando e liberando a mente

 

Hoje, continuaremos com o décimo primeiro e o décimo segundo exercícios de respiraćčo consciente, propostos pelo Buda no Discurso sobre a Plena Consciźncia da Respiraćčo. O décimo primeiro é: "Concentrando a mente, eu inspiro e expiro." O décimo segundo é: "Liberando a mente, eu inspiro e expiro." Por favor, lembre-se que a mente significa a formaćčo mental que está presente em nossa consciźncia mental. Se é uma formaćčo mental saudável, entčo, concentrando-se nela, podemos desenvolvź-la para nossa maior alegria e felicidade. Se for uma formaćčo mental negativa - o medo, a raiva - a concentraćčo e a sua aceitaćčo nos trarčo algum alívio e nos ajudarčo a olhar profundamente para ela. Olhar profundamente pode nos trazer uma percepćčo libertadora.

 

Transformaćčo significa transformaćčo na base (ashraya-paravritti), que é verdadeira transformaćčo e nčo apenas um alívio momentČneo. Para que a transformaćčo na base aconteća, vocź precisa praticar profundamente. Somente observando profundamente a natureza do nosso sofrimento, podemos descobrir suas causas e identificar as fontes dos nutrientes que a originaram. Depois de termos praticado por algum tempo, veremos que a transformaćčo sempre acontece no fundo da nossa consciźncia. Nossa consciźncia armazenadora é como o suporte ou a base para nossa consciźncia - da mesma forma que as pernas de mesa sčo um suporte para a mesa. Ashraya significa apoio, ou base, e paravritti significa transformaćčo - transformaćčo na base.

 

Olhando profundamente, ganhamos insights que podem nos libertar e transformar nossas aflićões em sua forma de sementes. A formaćčo mental se manifesta no nível da mente, mas a semente da formaćčo mental permanece sempre na consciźncia armazenadora. Se soubermos reconhecer a presenća da formaćčo mental, abraćá-la, acalmá-la e examiná-la profundamente, obteremos insight. Se uma semente de raiva se manifesta e uma semente de atenćčo plena também se manifesta, a energia da atenćčo plena envolve a energia da raiva. Ela reconhece, abraća, acalma e olha profundamente.

 

Transformaćčo e emancipaćčo só podem ocorrer quando o insight é alcanćado. O insight é alcanćado através das práticas de parar e olhar profundamente. A meditaćčo é composta de dois elementos. O primeiro é shamatha - parar, concentrar e acalmar. Se vocź for ą China, verá este sinal nas estradas - _. Significa "Pare". Sugiro que coloque este sinal em algum lugar da sua casa. Diante dele, vocź pode praticar a respiraćčo consciente por cinco ou dez minutos, para que possa perceber que parou. O segundo elemento da meditaćčo é vipashyana. Significa olhar profundo, investigaćčo e observaćčo. É difícil olhar profundamente sem parar. Se vocź é capaz de olhar profundamente, significa que é capaz de parar.

 

Como já sabemos, temos que lidar com a energia que está sempre nos empurrando e nčo nos permitindo parar. Eu descrevi nossa energia de hábito como um cavalo fugitivo. O Buda propôs parar a energia de hábito com atenćčo plena. Toda vez que estamos inquietos - nčo importa a hora do dia ou o que estamos fazendo - praticamos a respiraćčo consciente para reconhecer nossa energia de hábito. Dizemos: “Olá, energia de hábito. Eu sei que vocź está presente. "Nós sorrimos. Vasana é o nome dessa energia. Como eu já mencionei, todos nós recebemos essa energia de hábito de nossos pais e ancestrais, que foram incapazes de transformá-la. É por isso que foi transmitida para nós. Temos que aprender a lidar com ela, se nčo aprendermos como transformá-la, nós a transmitiremos aos nossos filhos.

 

Todo verčo em Plum Village, celebramos o Dia de Aćčo de Graćas do nosso jeito. Grupos de estudantes de diferentes países se reúnem, cozinham seu próprio prato nacional e o colocam no altar de seus ancestrais. Se há pessoas de vinte e cinco países diferentes praticando, fazemos vinte e cinco pratos diferentes. Cada grupo se reúne e discute que tipo de prato vai oferecer. Os alunos preparam seus pratos atentamente, tocando seus antepassados __e a cultura de sua naćčo.

 

Uma vez, um jovem americano foi comprar provisões para a refeićčo em St. Foy la Grande. Ele estivera em Plum Village por trźs semanas e sentia-se maravilhoso - muito pacífico e alegre. Cercado por uma Sangha praticante, ele praticava meditaćčo andando, sentada e o trabalho consciente. Sozinho em St. Foy la Grande, ele de repente se sentiu com pressa. Confiando em sua prática de trźs semanas de respiraćčo e caminhada conscientes, ele foi capaz de identificar as energias negativas da inquietaćčo e da pressa. Sua atenćčo plena era suficiente para ele voltar a respirar. Ele inspirou e expirou, sorrindo e disse: "Olá, mamče. Eu sei que vocź está presente."

 

Ele percebeu que essa energia de inquietude vinha de sua mče. Sempre inquieta e apressada, transmitira essa energia para ele. Durante as trźs semanas de prática em Upper Hamlet, ele havia sido cercado por uma poderosa Sangha, e a semente de inquietaćčo nčo teve a chance de emergir. Somente quando ele se aventurou no mercado sozinho, o ambiente tocou essa semente nele e permitiu que ela se manifestasse. Depois que ele reconheceu essa energia com a respiraćčo consciente, sua inquietaćčo desapareceu e retornou ą sua forma de semente. A partir de entčo, ele continuou a prática da respiraćčo consciente, mantendo sua paz e alegria.

 

(Do livro “The Path of Emancipation”– Thich Nhat Hanh)

(Traduzido por Leonardo Dobbin)

Comente esse texto em http://sangavirtual.blogspot.com

 

 

 

 

Caso queira obter esse texto em formato PDF clique aqui